PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

‘Vacina mata’, ‘Lula ladrão’: Restaurantes do iFood têm nomes trocados por mensagens pró-Bolsonaro

vacina-mata-lula-ladrao-restaurantes-do-ifood-tem-nomes-trocados-por-mensagens-pro-bolsonaro

Internautas de diversas regiões do país se espantaram na noite desta terça-feira (02) ao entrar no aplicativo iFood e encontrar nomes de restaurantes e estabelecimentos trocados por insultos ao ex-presidente Lula, mentiras sobre vacinas contra a covid-19 e exaltações ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A execução de Marielle Franco (PSOL) também foi satirizada com a expressão “Marielle Peneira”, usada por pessoas de extrema-direita no sentido de que a vereadora é uma “peneira” furada por balas.

“Bolsonaro 2022”, Lula ladrão, “prefiro Uber Eats”, “vacina mata”, “petista comunista” e “Marielle Franco peneira” foram as expressões inseridas nos nomes de restaurantes e aplicativos.

Internautas chegaram a cogitar que algum integrante do Governo Bolsonaro promoveu a invasão, por conta do histórico do Exectivo com o chamado gabinete do ódio.

Mas, por volta da meia noite desta quarta-feira (03), o perfil do iFood no Twitter afirmou que a alteração dos nomes de restaurantes foi realizado por um funcionário de uma empresa terceirizada e atingiu cerca de 6% dos estabelecimentos.

“O incidente foi causado por meio da conta de um funcionário de uma empresa prestadora de serviço de atendimento que tinha permissão para ajustar informações cadastrais dos restaurantes na plataforma, e que o fez de forma indevida”, afirma a empresa. “O acesso da prestadora de serviço foi imediatamente interrompido, e os nomes dos restaurantes já estão sendo restabelecidos. É importante destacar que os meios de pagamento dos clientes estão seguros”.

O iFood não identificou a pessoa responsável pelas alterações. Por fim, a empresa afirma também que dados de cartão de crédito não foram comprometidos e informações de clientes e entregadores não foram vazadas.

“Os dados de meios de pagamento não são armazenados nos bancos de dados do iFood, ficando gravados apenas nos dispositivos dos próprios usuários, não tendo havido comprometimento de dados de cartões de crédito”, afirma a empresa.

A despeito das explicações, alguns internautas comentaram no tuíte que já tiveram cartões clonados no passado e decidiram retirar os dados do iFood, por conta da situação.

Related posts

Bolsonaro foi internado por comer camarão sem mastigar

João Baricatti

Governo de SP compra 2 milhões de testes rápidos para a covid-19

Rafaele Oliveira

Despertador recebe Manfred Back, Jacqueline Muniz, Celso Amorim e Paulo Teixeira

Bruna Pannunzio

Leave a Comment