PORTAL DEMOCRACIA
Internacional Manchete Política

Steve Bannon é liberado e responderá acusações de desacato em liberdade

steve-bannon-e-liberado-e-respondera-acusacoes-de-desacato-em-liberdade

Com informações da CNN Brasil – O ex-estrategista de Donald Trump, Steve Bannon, foi liberado nesta segunda-feira (15) e não será preso antes do julgamento por acusações de desacato ao Congresso, realizadas por ele ter descumprido exigências do comitê da Câmara dos Estados Unidos e não ter aparecido para prestar depoimento no caso que investiga as invasões do Capitólio, em 6 de janeiro.

Bannon comparecebeu ao tribunal pela primeira vez e se entregou em um escritório de campo do FBI em Washington (EUA). Ele deve ser processado na próxima quinta-feira (18), mas os promotores não vão detê-lo antes do julgamento.

Ao se entregar, Bannon foi cercado por jornalistas e se dirigiu à câmeras de TV

“Estamos derrubando o regime de Biden”, afirmou aos jornalistas presentes.

Bannon tem aliados que fazem política no Brasil, como o ideólogo do Governo Bolsonaro, Olavo de Carvalho, e o filho do presidente da República, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Em determinações aprovadas por um juiz, o estrategista político concordou em fazer check-ins semanais, entregar seu passaporte, notificar viagens para fora do distrito e procurar o tribunal antes de realizar viagens fora do território dos Estados Unidos.

Bannon é acusado de desacato em dois processos. Em um deles, é alvo da acusação por recusar comparecer a um depoimento comitê da Câmara dos Estados Unidos que investiga as invasões trumpistas do Capitólio.

No outro processo, é acusado de desacato por ter negado apresentar documentos para o comitê da Câmara que investigava o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos.

Cada acusação prevê um mínimo de 1 mês até um ano de prisão, além de multa de até US$ 100 mil, segundo o Departamento de Justiça.

“Estou lhe dizendo agora, essa será a ‘contravenção do inferno’ para Merrick Garland, Nancy Pelosi e Joe Biden”, disse Bannon aos repórteres após a audiência, jurando que sua equipe “seguirá para o ataque”.

Antes de se entregar ao FBI, Bannon foi às redes sociais, onde pediu para apoiadores “manterem o foco”.

“Não quero que ninguém tire os olhos do que fazemos todos os dias, OK”, disse Bannon dentro de seu programa online, “WarRoom” (“Sala de Guerra”). “Quero que vocês mantenham o foco na mensagem”, acrescentou ele antes de entrar no escritório de campo do FBI. “Muito obrigado.”

O advogado de direitos civis, David Shoen, que defendeu Donald Trump em seu segundo julgamento de Impeachment, apareceu ao lado de Bannon no tribunal, onde ocorreu audiência do estrategista.

Após a audiência, Shoen afirmou que Bannon descumpriu a intimação do comitê do Congresso norte-americano porque estava seguindo conselho de seu advogado na época.

“Ele foi instruído por seu advogado a não aparecer”, disse o advogado aos repórteres.

O advogado a quem Shoen se refere é Robert Costello. Em outubro, ele afirmou que Bannon não cooperaria com a investigação do comitê do Congresso estadunidense porque Trump também tinha recebido orientação de não agir neste sentido.

Costello também afirmou que os documentos pretendidos pela comissão eram protegidos sob privilégio executivo. Ao comitê, o advogado afirmou que “os privilégios executivos pertencem ao presidente Trump” e sua invocação de privilégio executivo deve ser “honrada”.

O gabinete do atual advogado da Casa Branca – sob a gestão de Biden, rival eleitoral de Trump – disse à Costello que não apoiaria a recusa de Bannon testemunhar. A Casa Branca de Biden se recusou a reivindicar privilégio executivo sobre os documentos e testemunhas relacionados à insurreição no Capitólio de 6 de janeiro.

Related posts

Isa Penna e seus familiares são ameaçados e deputada pede proteção

Rafaele Oliveira

No Dia do Policial Federal, agentes protestam contra o governo

Rafaele Oliveira

Polícia faz operação contra milícias no RJ e resgata vítima que seria queimada viva

Rafael Bruza

Leave a Comment