PORTAL DEMOCRACIA
Brasil Manchete

Souza Paiol mantinha 116 trabalhadores escravizados em colheita de palha

souza paiol

A Souza Paiol, maior fabricante de cigarros de palha do País, mantinha 116 trabalhadores em condições análogas à escravidão. Segundo matéria da Repórter Brasil, os trabalhadores eram escravizados na colheita da palha usada na produção dos cigarros. Eles passavam fome, trabalhavam em circunstâncias precárias e inseguras, além de dormirem em péssimos alojamentos.

De acordo com a reportagem feita pela ONG Repórter Brasil, que é uma das mais importantes fontes de informação sobre trabalho escravo no país, o resgate feito na fazenda localizada em Água Fria de Goiás (GO) foi a maior deste ano, quando considerado o número de pessoas envolvidas.

Souza Paiol mantinha 116 trabalhadores escravizados

Entre os trabalhadores resgatados após a fiscalização trabalhista, estavam cinco adolescentes, o mais novo com apenas 13 anos. O auditor-fiscal do trabalho, Marcelo Campos, coordenador da operação feita pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM) relatou que o grupo “não tinha nenhum direito trabalhista, dormiam em alojamentos péssimos e não recebiam equipamentos de proteção individual (EPI).”

Além do relato de Campos, o grupo contou que passava fome, porque “iniciavam o trabalho às 5h e a primeira marmita chegava apenas às 11h.” O auditor explicou que se alguém ficasse doente e não conseguisse trabalhar, era descontado R$ 15 da marmita.

Itens básicos de higiene, como papel higiênico e sabão não eram repassados aos trabalhadores, que também dividiam a mesma garrafa de água, em plena pandemia de covid-19. Aliás, nenhuma precaução era tomada nesse sentido – muitos nem mesmo haviam sido vacinados contra a doença.

souza paiol
Souza Paiol mantinha 116 trabalhadores em condições análogas à escravidão. | Foto: Grupo Especial de Fiscalização Móvel/Divulgação

A reportagem também apurou que os trabalhadores tinham que pagar pelos equipamentos usados na colheita, como facas, pedras de amolar e fitas de proteção para os dedos, procedimento que vai contra a norma que rege o trabalho no campo (NR-31), que determina ser de responsabilidade do empregador disponibilizar gratuitamente as ferramentas de trabalho aos funcionários.

Souza Paiol pagou R$ 900 mil em indenizações aos trabalhadores

O resgate começou há 15 dias, em 13 de outubro, e foi encerrada nesta quarta-feira (20), quando os 116 trabalhadores receberam as indenizações, pagas pela Souza Paiol, que somadas chegam a R$ 900 mil.

Procurado, o dono da Souza Paiol, José Haroldo de Vasconcelos, que já foi acusado de sonegação fiscal e de não ter pago cerca de R$ 20 milhões em tributos, disse à Repórter Brasil que os trabalhadores resgatados não trabalhavam para ele e que são terceirizados. Disse também que não está pagando as indenizações aos trabalhadores, mas apenas emprestou o dinheiro para que seus fornecedores pudessem fazer os pagamentos aos resgatados.

No entanto, um depósito de R$ 600 mil realizado por Vasconcelos para os encarregados das contratações o identificou como responsável pelos trabalhadores. Quando questionado sobre a finalidade desse dinheiro, o dono da Souza Paiol disse que se tratava de um adiantamento para pagar a palha do milho. O Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Defensoria Pública da União (DPU), não concordam e vão propor um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Souza Paiol.

Related posts

Modelo Valentina Boscardin morre aos 18 anos por complicações da covid

Rafael Bruza

STJ anula decisões de inquérito de rachadinhas contra Flávio Bolsonaro

João Baricatti

Aliados temem Alckmin no ostracismo caso chapa com Lula fracasse

Rafael Bruza

Leave a Comment