PORTAL DEMOCRACIA
Brasil Manchete

Prova de vida presencial vai acabar, indica presidente do INSS

inss prova de vida

José Carlos Oliveira, atual presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), informou nesta quarta-feira (02) que cidadãos não precisarão ir presencialmente fazer a prova de vida. A partir de agora, o governo vai utilizar novos métodos e outros tipos de dados para confirmar que a pessoa está viva.

A medida vai passar a valer quando foi publicada no “Diário Oficial da União”, no entanto, Oliveira não informou quando a publicação deve acontecer. De acordo com ele, o governo vai buscar por dados recentes da pessoa e, se não encontrar, vai enviar alguém à residência dela para realizar uma prova biométrica.

A informação foi dada pelo presidente do INSS durante discurso em cerimônia no Palácio do Planalto. A cerimônia tinha como objetivo assinar a portaria que muda as regras da prova de vida. Autoridades como o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira estavam presentes no evento.

Segundo o governo, o INSS tem até o fim do ano (31 de dezembro) para aplicar as mudanças. “Até essa data, o bloqueio de pagamento por falta da comprovação de vida fica suspenso“, disse o governo. Segundo o governo federal, não há pessoa bloqueada por falta de prova de vida e a família do beneficiário será informada que a prova de vida deu certo.

bolsonaro inss previdencia prova de vida
Jair Bolsonaro ao lado do presidente do INSS, José Carlos Oliveira e do ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni (Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil)

As mudanças na prova de vida

Mas quais são as mudanças na prova de vida? Segundo o presidente do INSS, elas se resumem em passar a “obrigação” de fazer a prova da pessoa física para o órgão.

José Carlos Oliveira deu alguns exemplos que vão servir para o órgão comprovar se a pessoa está viva ou não:

  • se o cidadão tirar ou renovar o passaporte;
  • se o cidadão tirar carteira de identidade ou renovar o documento;
  • se o cidadão votar;
  • se o cidadão fizer transferência de veículo;
  • se o cidadão fizer empréstimo consignado.

Além desses exemplos, também serão aceitos:

  • emissão ou renovação de carteira de motorista;
  • registros de vacinação;
  • registro de consultas no SUS.

Além disso, a busca também vai acontecer em banco de dados estaduais e municipais. Existe a possibilidade do uso de base de dados privadas, mas essa parte ainda está em negociação.

Se caso nós não encontramos um movimento do cidadão em uma dessas bases, mesmo assim, o cidadão não vai precisar sair de casa para fazer a prova de vida“, disse Oliveira sobre a mudança. “O INSS proverá meios, com parcerias que fará, para que o servidor, o correio, para que essa entidade parceira vá na residência e faça a captura biométrica na porta do segurado. Para que o segurado não saia mais da sua residência“, completou.

Related posts

Duas vereadoras de extrema-direita abriram a Câmara de POA para extremistas, acusa Leonel Radde

Rafael Bruza

Ômicron: risco de reinfecção é 2,4 vezes maior

João Baricatti

Governo Bolsonaro já censurou questões do próximo Enem

Rafael Bruza

Leave a Comment