PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

Policiais mandam manifestantes abaixarem faixas ‘Fora Bolsonaro’ e ameaçam prendê-los por desobediência

policiais-mandam-manifestantes-abaixarem-faixas-fora-bolsonaro-e-ameaçam-prende-los-por-desobediencia

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Polícia Militar (PM) que faziam a segurança do presidente Jair Bolsonaro (PL) durante sua visita em Porto Velho, capital de Rondônia, ordenaram membros de movimentos sociais a abaixarem cartazes com críticas ao mandatário.

Os manifestantes realizaram um ato intitulado #ForaBolsonaro, promovido pela Frente Brasil Popular e seguravam cartazes com frases com o nome do ato e mensagens à favor da ciência.

Em Porto Velho, Bolsonaro se reunia com o presidente do Peru, Pedro Castillo. Ele passaria pelo local onde o protesto acontecia.

“Nenhuma manifestação com faixa, por favor. Nenhuma faixa”, diz um dos agentes. “Estou explicando para os senhores, aqui é uma área de segurança e a responsabilidade é nossa”.

Na sequência, um senhor de cabelos grisalhos questiona se o agente tentava impedir o ato pelo teor contrário à Jair Bolsonaro.

“(Abaixa) todas as faixas, por segurança. Não interessa o que está escrito”, afirma um policial rodoviário federal.

Ao ver que o manifestante de cabelos grisalhos continou contestando a ordem, o agente ameaçou prendê-lo.

“Estou dando uma ordem para o senhor. Se o senhor não obedecer, vai ser conduzido por desobediência, tá?”, ameaça.

https://twitter.com/Metropoles/status/1489322679190630407

Manifestantes classificaram a ação dos policiais como uma “tentativa de intimidação” com tom de “ameaça”.

“Estávamos em poucas pessoas, em uma manifestação pacífica e quando ele (o presidente) estava se aproximando para entrar no palácio queríamos levantar as faixas. Neste momento, os agentes da PRF nos intimidaram dizendo que ali não era permitido o uso de faixas. Alegamos que estávamos fora da área de segurança e que ali poderíamos levantar as faixas. Então eles disseram que poderíamos ser presos por isso. Foi nesse momento que recuamos porque poderíamos sofrer prisões arbitrárias”, disse Ocelio Muniz, coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragem e Frente Brasil Popular em RO.

Procurados pelo portal UOL, Palácio do Planalto, Ministério da Justiça e Polícia Rodoviária Federal não quiseram comentar o caso.

Já a Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania de Rondônia afirmou que “não compactua com tal atitude” por parte da PRF, “visto que a Polícia Militar do Estado estava no evento a fim de fazer o policiamento e evitar qualquer tipo de imprevisto”.

Related posts

São Paulo abre xepa para vacinação infantil

João Baricatti

Lula defende Haddad candidato em SP e diz que espera compreensão de outros partidos

Rafael Bruza

Aberta investigação contra PM que imobilizou mulher com bebê no colo

Rafaele Oliveira

Leave a Comment