PORTAL DEMOCRACIA
Brasil Manchete

Polícia Federal apreende 15 girafas em resort e prende duas pessoas por maus-tratos no RJ

policia-federal-apreende-15-girafas-em-resort-e-prende-duas-pessoas-por-maus-tratos-no-rj

Na tarde desta quarta-feira (26), policiais federais apreenderam 15 girafas em um resort safari em Mangaratiba, litoral sul do Rio de Janeiro.

A ação policial é parte da investigação sobre a morte de três das 18 girafas importadas da Áfrixa do Sul e que seriam levadas para o Bioparque – o zoológico do Rio.

Dois funcionários responsáveis pela manutenção dos animais foram presos em flagrante e condutidos à Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, onde foi feito um termo circunstanciado de ocorrência por maus-tratos, crime previsto na lei de crimes ambientais. Os homens foram liberados na sequência.

Os animais estavam há mais de 75 dias em um galpão onde ficavam presos em espaços de 40 m².

“Tanto o Ibama quanto a Polícia Federal que estiveram hoje (quarta-feira) no local caracterizaram aquela situação das girafas como crime de maus-tratos. Por esse motivos, os responsáveis do Grupo Cataratas foram levados à Polícia Federal “, explicou o procurador da República Sergio Suiama.

Os animais apreendidos foram entregues ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Além deste crime, a investigação, que deu origem ao inquérito policial, prosseguirá com o objetivo de apurar as circunstâncias e a legalidade da importação dos animais, além das condições de manutenção e cuidado das girafas.

As 18 girafas chegaram ao Rio de Janeiro em um avião jumbo no dia 11 de novembro do ano passado.

Do aeroporto, foram levadas para Mangaratiba, a duas horas do Rio, e depois para o Portobello Resort & Safári, que tem 300 mil metros quadrados.

Numa área isolada fica o galpão onde estavam as girafas. Há mais de 75 dias, elas permaneceram no local só com luz do sol entrando pelas janelas, já que a única tentativa de caminhada ao ar livre não acabou bem.

Numa parte externa, seis atravessaram a cerca, fugiram e foram recapturadas. Três morreram horas depois.

Com isto, as girafas não saem mais para o espaço ao ar livre desde o dia 14 de dezembro. Cada baia de 40 metros quadrados tem três girafas. A previsão é de que os animais saiam para o ar livre nos próximos dias.

“É um processo de transição, de habituação, onde o animal precisa criar uma relação positiva com o novo tratador, com a nova equipe. E, após esse processo, que pode demorar um mês, dois, três, até seis dependendo do indivíduo, eles vão lentamente tomando confiança, segurança, até que possam vir para cá”, disse Claudio Mass, responsável técnico pelo Bioparque.

As 18 girafas vieram da África do Sul compradas pela empresa que ganhou a concessão para administrar o zoológico do Rio. Após reformas, o espaço foi aberto com outro nome, Bioparque, e a proposta de criar um centro de conservação.

Esta foi a maior importação de animais de grande porte já feita pelo Brasil, segundo várias entidades de defesa da vida selvagem. Foi preciso fretar um jumbo para trazer as 18 girafas. Os responsáveis dizem que elas fazem parte de um projeto de conservação, vieram de reservas privadas de manejo sustentável de fauna e não foram capturados na natureza.

Afirmam também que a instituição de origem foi aprovada pelos órgãos competentes brasileiros e sul-africanos. “O objetivo da vinda desses bichos para o Brasil é compor um pool genético para revigorar a população brasileira. Uma parte desses animais (…) vai para o Bioparque ou para outros mantenedores de acordo com as recomendações genéticas dos grupos de zoológicos que trabalham com esses bichos, hoje, no Brasil”, afirma Claudio Mass.

 

Related posts

Ministério da Saúde reafirma segurança da vacina da Covid em crianças

João Baricatti

Câmara aprova usar dinheiro de precatórios para pagar professores

Rafaele Oliveira

Avião bimotor com três pessoas cai em Paraty

João Baricatti

Leave a Comment