PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

PDT vota a favor da PEC dos Precatórios e é criticado por opositores

pdt-vota-a-favor-pec-dos-precatorios

Nesta quarta-feira (03), deputados do Partido Democrático Trabalhista (PDT) irritaram opositores em plenário da Câmara e nas redes sociais após a maioria da bancada da sigla votar a favor da PEC dos Precatórios – proposta e defendida pelo Governo Bolsonaro.

Dentro do PDT, 15 dos 24 deputados votaram a favor da mudança constitucional, 6 votaram pela rejeição e 3 se abstiveram.

Outro partido de esquerda, o PSB também teve votos a favor da PEC dos Precatórios, mas em menor proporção: foram 10 votos a favor da proposta, em uma bancada de 32 parlamentares, 21 votos contrários e 1 abstenção.

Entre negociações e denúncias de manobras do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a proposta foi aprovada em primeiro turno por 312 votos a 144. Por se tratar de uma PEC, o Governo precisava de 308 votos a favor da medida – dois terços da casa.

A PEC dos Precatórios é defendida pelo Governo como forma de abrir espaço fiscal para o Executivo realizar o Auxílio Brasil, programa social que deve ser criado para ocupar o lugar do extinto Bolsa Família. A medida ainda precisa ser aprovada em segundo turno na Câmara, antes de seguir para o Sendado.

Opositores do Governo Bolsonaro apontam que a medida é um “calote” em dívidas reconhecidas da União e denunciam a oferta de emendas parlamentares do orçamento por parte do Governo.

No PDT, até deputados do partido, como Túlio Gadelha (PDT-PE) fez críticas públicas aos votos do partido a favor da PEC dos Precatórios.

“PDT vacilando. A história vai cobrar”, afirmou o pedetista.

A posição do partido contraria declarações de Ciro Gomes (PDT), que no final de outubro tratou a PEC dos Precatórios como “mais uma das aberrações inomináveis” do Governo Bolsonaro.

Admirador do PDT, o artista Tico Santa Cruz marcou o líder do PDT na Câmara, Wonley Queiroz (CE), pedindo que a posição do partido mude no segundo turno de votação e que mais uma posição favorável á PEC dos Precatórios terá “graves consequências”.

“Não aceitaremos que o partido mantenha essa posição favorável a PEC do Calote no 2o turno. Manter esses votos terá GRAVES consequências no apoio ao candidato do PDT ano que vem! Repensem”, afirmou o cantor e influenciador.

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), que rivalizou com Ciro Gomes (PDT) na campanha presidencial de 2018, também criticou os votos do PDT.

“Em 2018, 3 dos 4 candidatos do PDT a governador que foram para o 2° turno declararam voto no Bolsonaro. Hoje, o partido assinou um cheque de R$ 90bi para viabilizar sua reeleição. Não sei se tem conserto. Estrago monumental!”, afirmou

Deputados de outros partidos, como PSOL e PL, além do influenciador Felipe Neto, também fizeram críticas públicas ao PDT.

“PEC do CALOTE aprovada. Vitória suada do governo, com compra de votos, regimento rasgado, deputados votando de fora. Centrão comemora. Vergonhosa a posição do PDT nessa votação”, escreveu no Twitter o deputado federal, Ivan Valente (PSOl-SP).

“Pra mim foi a gota d’água. @PDT_Nacional tome vergonha. PEC do calote é a puta que pariu. Não sei quem foi que enlouqueceu por aí, mas chega. Não dá mais não”, afirmou o influenciador.

O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM) contestou o motivo por trás dos votos do PDT.

“Que o PDT queira justificar o voto com o governo e contra os professores na PEC 23, eu entendo, mas é falso o argumento de que precisa de lei pra regular 60% para os professores.Esse direito já está previsto no art. 7o., par. único, da lei 14.057/20, aprovada com os votos do PDT.

Líder do PDT se pronunciou sobre votos do partido

O líder do PDT na Câmara dos Deputados, Wonley Queiroz (CE), afirmou no plenário da casa que o partido apoiou a proposta porque houve uma alteração para que fossem pagos precatórios referentes ao antigo Fundef.

Wonley também declarou que a sigla conseguiu o compromisso do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para que seja pautado um projeto de lei que destina aos professores 60% do que a categoria tem direito dessas dívidas, mas que será escalonada em três anos.

Related posts

Bolsonaro corrige apoiadores que citaram fake news sobre abuso de crianças e incesto (vídeo)

Rafael Bruza

Walter Braga Netto deverá explicar gastos com filé mignon e picanha

Rafaele Oliveira

Caminhoneiros recusam oferta de Bolsonaro e reafirmam greve; 2 estados registram paralisações

Rafael Bruza

Leave a Comment