PORTAL DEMOCRACIA
Internacional Manchete Política

Paulo Guedes diz que aceitou emprego durante a Ditadura no Chile por questão salarial

paulo-guedes-diz-que-aceitou-emprego-durante-a-ditadura-no-chile-por-questao-salarial

Em um evento do Ministério da Economia nesta quinta-feira (18), o ministro Paulo Guedes rebateu críticas que recebe por ter aceitado dar aulas na Universidade do Chile, na década de 80, durante a sangrenta Ditadura Militar liderada pelo general Augusto Pinochet.

Formado economista na Universidade de Chicago – de onde veio o grupo de professores entitulado ‘Escola de Chicago’, que apoiou a Ditadura chilena e ajudou a implementar no país políticas econômicas neoliberais no período autoritário – Guedes afirma que aceitou o trabalho por questões salariais.

“[Na época], eu dava uma aulinha na GV [Fundação Getúlio Vargas], uma aulinha na PUC [Pontifícia Universidade Católica de São Paulo], uma aulinha não sei aonde… Correndo de um lado pro outro, recebia US$ 800 em cada lugar, então dava US$ 2.400 por mês. Aí, recebo uma proposta dos chilenos pra receber US$ 10 mil por mês pra ficar tempo integral numa faculdade no Chile. Eu falei: ‘Vou embora’. Fui embora do Brasil”, relatou o ministro, em evento em comemoração aos 29 anos da Secretaria de Política Econômica.

O ministro também minimizou o fato de ter trabalhado em uma corrente ideológica alinhada com a Ditadura chilena alegando que o Brasil também vivia um regime ditatorial.

“Ditadura por ditadura, era Figueiredo (João Baptista Figueiredo, ditador no Brasil entre 1979 e 1985) contra Pinochet. Eu não estava nem aí. Hoje eles falam: ‘Ah, trabalhou para o Pinochet’. Eu nunca vi o Pinochet na vida, não sei nem o que ele fez ou o que ia fazer”, afirmou o ministro.

Na sequência, Paulo Guedes procurou reforçar que na época não dava importância para questões políticas, mas sim econômicas.

“Eu era um animal, eu sou um animal de politização tardia, até hoje eu não sei, politicamente, onde é que eu tô. Eu gosto mesmo é de economia, sou apaixonado por economia”, discursou.

A ditadura de Pinochet no Chile (1973-1990) matou ao menos 3 mil chilenos, incluindo o cantor Victor Jara, um dos mais famosos artistas da época, e torturou mais de 30 mil cidadãos do país ao longo do regime ditatorial.

Professores da escola de Chicago – onde Guedes se formou – apoiaram a derrocada do Governo chileno de Salvador Allende em 1973 e passaram a influenciar a formulação de políticas econômicas no Chile com viés neoliberal, em um contexto mundial de Guerra Fria.

O ditador Pinochet chegou a ser preso em 1999, durante uma viagem ao Reino Unido, por ordem do juiz espanhol Baltasar Garzon, por acusações de violações contra os direitos humanos.

esO ditador ficou um ano em prisão domiciliar, mas foi libertado e faleceu em dezembro de 2006 sem ser definitivamente condenado por seus crimes.

Related posts

PT diz que voto de Rogério Carvalho favorável ao orçamento secreto é de “caráter pessoal” do senador

Rafael Bruza

Saveiro rebaixada e com pintura da PRF é apreendida em Balneário Camboriú

Rafaele Oliveira

TSE cassa o mandato do bolsonarista Fernando Franceschini por prática de fake news

Fabio Pannunzio

Leave a Comment