PORTAL DEMOCRACIA
Internacional Manchete Política

Papa Francisco pede que pais “nunca condenem um filho” por sua orientação sexual

papa-francisco-pede-que-pais-nunca-condenem-um-filho-por-orientacao-sexual

Em audiência geral celebrada no sala Paulo VI do Vaticano nesta quarta-feira (26), o Papa Francisco pediu a pais católicos que acompanhem e não condenem um filho por sua orientação sexual.

“Penso nos pais perante os problemas dos seus filhos”, refletiu o pontífice, que orientou pais e mães a “acompanhar os filhos e não se esconder em comportamentos de condenação”.

O papa citou pais que perdem filhos por doença ou acidentes de trânsito, além de famílias que veem seus filhos sem conesguir ir à escola, para orientar católicos a nunca condenar um filho.

“Tantos problemas dos pais, pensamos em como ajudá-los. A eles eu digo: não tenham medo. Há tanta dor, mas pensem no Senhor e em como José resolveu os problemas. Nunca condenem um filho”, acrescentou

Francisco lembrou ainda que em Buenos Aires, na Argentina, ele via mães diante de prisões aguardando para encontrar seus filhos detidos.

“Ali estavam as mães, aquelas mães que, perante o problema de um filho que tinha cometido um erro, davam a cara, não o esconderam e acompanharam, sempre. Que valor”, exaltou Francisco.

O papa afirmou ainda que apesar de a Igreja Católica não aceitar uniões entre pessoas do mesmo sexo, a instituição deve apoiar leis de união civil que dão a estes casais direitos igualitário em áreas como acesso à saúde e partilha de bens.

Francisco sempre condenou a rejeição de filhos homossexuais em suas famílias. Em agosto de 2018, ao voltar de uma viagem à irlanda, ele foi questionado por jornalistas no avião sobre o que diria a pais de um filho homossexual.

O papa respondeu: “Ignorar um filho ou filha com tendências homossexuais seria uma falta de maternidade e paternidade. És meu filho ou filha como és”.

A despeito desta postura do papa, o Vaticano anunciou em março de 2021 que padres e outros ministros da igreja não podem celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo, apontando que bênçãos não serão consideradas lícitas se forem realizadas.

“Deus não pode abençoar o pecado”, disse o comunicado do Vaticano, na época.

A questão da homossexualidade se tornou ainda mais tabu e polêmica dentro da Igreja Católica nos últimos anos.

Em países como Estados Unidos e Alemanha, paróquias e religiosos começaram a realizar uniões de pessoas do mesmo sexo. Também chegaram a fazer pedidos para que o Vaticano institucionalizasse esse direito.

Mas a ala mais conservadora do catolicismo vem resistindo a tais pedidos e alega que o papa Francisco dá sinais contraditórios sobre casamento homossexuais, o que na visão desse grupo confunde fiéis.

O papa adotou uma postura mais aberta sobre o tema, mas nunca mudou dogmas da instituição – a decisão de não abençoar a união de pessoas do mesmo sexo é prova disto.

A despeito da manutenção das regras antigas, o pontífice disse que jamais poderia julgar um homossexual. Também sinalizou que católicos devem acolher crianças de casais do mesmo sexo e já recebeu transexuais e defensores do aborto em audiências.

Related posts

Prefeitura de SP aprova protocolos sanitários para carnaval no Anhembi

João Baricatti

Polícia prende suspeito de matar mulher em Itapetininga/SP

João Baricatti

Solução da greve na Receita Federal está nas mãos de Bolsonaro, diz associação

Rafael Bruza

Leave a Comment