PORTAL DEMOCRACIA
Brasil Manchete

Lewandowski suspende parte de decreto que autoriza construção em área de cavernas

Ricardo Lewandowski caverna bolsonaro

Ricardo Lewandowski, um dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta segunda-feira (24) parte do decreto do atual presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), que permitia a construção de obras consideradas como “utilidade pública” em áreas de cavernas.

Segundo o ministro Lewandowski, o decreto do presidente “imprimiu verdadeiro retrocesso na legislação ambiental”. Lewandowski analisou uma ação da “Rede Sustentabilidade“, onde o partido questiona a mudança e aponta a violação do direito ao meio ambiente ecologicamente. No Brasil, 21,5 mil cavernas são registradas, a grande maioria no estado de Minas Gerais.

O decreto que tinha sido assinado por Bolsonaro no último dia 12 revogava a regra que estabelecia que cavernas classificadas com o grau de relevância máximo não podem sofrer impactos irreversíveis. Logo, a partir do decreto de Bolsonaro, se a obra fosse de interesse público, ela poderia acontecer mesmo sendo em área de caverna com o grau de relevância máxima.

De acordo com o texto do decreto, as cavidades naturais subterrâneas com grau de relevância máximo somente poderão ser objeto de impactos negativos irreversíveis quando autorizado pelo órgão ambiental licenciador competente, e o empreendedor deverá fazer medidas compensatórias. Além disso, durante a obra/exploração, as espécies de animais que habitam a cavidade não devem ser extintas.

Lewandowski suspendeu decreto de Bolsonaro

Lewandowski derrubou dois trechos do decreto: o primeiro que permitia a construção de empreendimentos e atividades nas cavernas, o segundo que permitia a destruição mesmo daquelas que os órgãos ambientais classificam como de relevância máxima.

 

Lewandowski caverna bolsonaro
Lewandowski suspendeu partes do decreto (Foto: Divulgação/Rodrigo Ferreira)

De acordo com Lewandowski: “(o) decreto impugnado promoveu inovações normativas que autorizam a exploração econômica dessas áreas, reduzindo, em consequência, a proteção desse importante patrimônio ambiental.“, ele ainda adicionou: “Suas disposições, a toda a evidência, ameaçam áreas naturais ainda intocadas ao suprimir a proteção até então existente, de resto, constitucionalmente assegurada”.

Ele ainda pontuou que a exploração pode causar a destruição da fauna e da flora, ameaçando espécies em extinção e aumentando o risco à saúde humana com o potencial surgimento de novas epidemias ou até pandemias.

Lewandowski ainda afirmou que: “Como se vê, sem maiores dificuldades, o Decreto 10.935/2022 imprimiu um verdadeiro retrocesso na legislação ambiental pátria, ao permitir – sob o manto de uma aparente legalidade – que impactos negativos, de caráter irreversível, afetem cavernas consideradas de máxima relevância ambiental, bem assim a sua área de influência, possibilidade essa expressamente vedada pela norma anterior”.

E concluiu que: “decreto impugnado promoveu inovações normativas que autorizam a exploração econômica dessas áreas, reduzindo, em consequência, a proteção desse importante patrimônio ambiental. Suas disposições, a toda a evidência, ameaçam áreas naturais ainda intocadas ao suprimir a proteção até então existente, de resto, constitucionalmente assegurada”.

Related posts

PGR vai apurar se Monark e Kim Kataguiri cometeram apologia ao nazismo

Rafael Bruza

Questões do ENEM 2019 foram censuradas pelo governo Bolsonaro

João Baricatti

PayPal oferece cupom de R$ 50, derruba loja Nuuvem e web reclama

Rafaele Oliveira

Leave a Comment