PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Meio Ambiente

Ipam: desmatamento na Amazônia cresceu 56,6% no governo Bolsonaro

desmatamento

De acordo com um estudo realizado recentemente pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), em 2019, o desmatamento na  Amazônia cresceu de forma alarmante.

Segundo o levantamento do Ipam, divulgado na última quarta-feira (02), o desmatamento na floresta amazônica cresceu 56,6% entre agosto de 2018 e julho de 2021, quando comparado com o mesmo período de 2016 a 2018.

O estudo destaca que 51% do desmatamento na Amazônia ocorrido sob o governo Bolsonaro foi em terras públicas, enquanto que 83% aconteceu em terras federais. Ao todo, mais de 32 mil quilômetros quadrados de floresta foram desmatados entre 2019 e 2021.

Em terras indígenas, houve alta de 153% em média no desmatamento, em comparação ao último triênio. Já o desmatamento em unidades de conservação teve aumento de 63,7%. Para o Ipam, o desmatamento piorou durante a gestão Bolsonaro, especialmente “pelo enfraquecimento de órgãos de fiscalização, pela falta de punição a crimes ambientais e pela redução significativa de ações imediatas de combate e controle de atividades ilegais”.

Sob governo Bolsonaro, desmatamento cresceu quase 57%

desmatamento
O presidente Jair Bolsonaro (PL), durante evento do Governo Federal / Foto – Reprodução (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

“Estamos subindo degraus rápido demais quanto à destruição da Amazônia e não podemos nos acostumar com isso. Quando olhamos para os números dos últimos três anos, fica claro o retrocesso daquilo que o Brasil foi um dia. Seguimos um caminho totalmente oposto às atitudes que o planeta precisa, com urgência, neste momento”, declarou Ane Alencar, diretora de Ciência no IPAM e principal autora do estudo.

Sobre o crescimento do desmatamento, o estudo do Ipam ainda alerta para a extinção de “retrocessos na política ambiental”, atualmente em debate no Congresso, tais como projetos de grilagem, licenciamento ambiental e de mineração em terras indígenas.

Também recomenda a elaboração de “uma estratégia regional robusta integrada aos planos estaduais de prevenção e controle do desmatamento”, além da “valorização da bioeconomia e a efetivação de linhas de financiamento, de fomento e de assistência técnica à agricultura familiar, povos e comunidades tradicionais.”

Related posts

Datafolha: 41% dos brasileiros reprovam atuação do Congresso

João Baricatti

Temer defende semipresidencialismo no Brasil

João Baricatti

Jovem que matou 2 pessoas em ato antirracista nos EUA tem crise de choro no julgamento

Rafael Bruza

Leave a Comment