PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

Gilmar Mendes manda indireta para Moro e Dallagnol : “Demonizou-se o poder para apoderar-se dele”

gilmar-mendes-manda-indireta-para-moro-e-dallagnol

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, publicou um tuíte nesta sexta-feira (05) em que critica veladamente a Operação Lava Jato e as futuras candidaturas políticas do ex-juiz, Sergio Moro, e do procurador da República, Deltan Dallagnol.

Sem citar nomes ou a Lava Jato, o ministro afirmou que “tudo” – a “seletividade, os métodos de investigações e vazamentos” – convergia para “um propósito claro” e “político”.

“Demonizou-se o poder para apoderar-se dele”, afirmou Giilmar Mendes.

“Alerto há alguns anos para a politização da persecução penal. A seletividade, os métodos de investigações e vazamentos: tudo convergia para um propósito claro – e político, como hoje se revela. Demonizou-se o poder para apoderar-se dele. A receita estava pronta”, afirmou o ministro.

O procurador Deltan Dallagnol confirmou nesta quinta-feira (04) que deve sair do Ministério Público Federal (MPF) para entrar na política.

O procurador, que coordenou a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, deve concorrer ao cargo de deputado federal pelo Podemos.

“Após mais de 18 anos de trabalho em amor ao próximo, estou saindo do Ministério Público e queria contar a você o porquê. Minha vontade é fazer mais, fazer melhor e fazer diferente diante do desmonte do combate à corrupção que está acontecendo:”, afirmou Dallagnol em um tuíte com link para um vídeo em que comenta sua saída do MPF.

Moro, a sua vez, deve disputar a Presidência da República ou uma vaga no Senado Federal. A filiação ao Podemos do ex-juiz e ex-ministro da Justiça do Governo Bolsonaro está marcada para o dia 10 de novembro – próxima quarta-feira.

Ministros lavajatistas do STF silenciam sobre Dallagnol na política

Procurados pela coluna de Carolina Brígido no Portal UOL, dois ministros lavajatistas do Supremo Tribunal Federal se mostratam surpresos com a saída de Dallagnol do MPF e sua consequente entrada na política. Um terceiro ministro “torceu o nariz da mesma forma”, segundo a coluna.

Nenhum dos três quis comentar de forma aprofundada a candidatura de Dallagnol – nem com anonimato garantido.

Associação de Procuradores se diz preocupada com a decisão

O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Ubiratan Cazetta, afirmou ao Estadão que se preocupa com a repercussão da decisão de Dallagnol.

“Não é bom para o MP qualquer relação que possa parecer político-partidária. A Lava Jato caiu nesse campo na visão de seus críticos. A imagem foi reforçada quando Moro saiu da magistratura e entrou no Executivo e será reavivada agora com Deltan. É algo injusto”, afirma Cazetta.

A ANPR é conhecida por frequentemente defender a Operação Lava Jato nos últimos anos.

Related posts

Ômicron: risco de reinfecção é 2,4 vezes maior

João Baricatti

O isolamento de Bolsonaro e o triunfo de Lula na Europa: quem paga a conta?

Fabio Pannunzio

Queiroga aponta dedo para repórter da GloboNews: “Povo do mau agouro”

Rafaele Oliveira

Leave a Comment