PORTAL DEMOCRACIA
Brasil Manchete Política

Contarato diz que PT articula sua candidatura ao Governo do ES

contarato-diz-que-pt-articula-sua-candidatura-ao-governo-do-es

Em entrevista à coluna de Guilherme Amado no Metrópoles nesta segunda-feira (17), o senador Fabiano Contarato afirmou que o Partido dos Trabalhadores articula para lança-lo candidato ao Governo do Estado do Espírito Santo.

“O movimento já é no sentido de uma pré-candidatura ao governo do estado. Se tiver de ter uma candidatura, ela vai existir, e o partido já sinalizou que eu seria o pré-candidato à eleição”, disse Contarato.

O senadorse filiará ao PT oficialmente no próximo dia 28, ao lado do ex-presidente Lula.

Caso a candidatura se oficialize, Contarato será rival eleitoral do atual governador do Estado, Renato Casagrande (PSB) que tenta a reeleição em 2022.

A candidatura do senador, neste sentido, pode virar impasse nas negociações entre PT e PSB, que buscam uma aliança nacional para a eleição de Lula à Presidência da República e acordos regionais em que o PT eventualmente apoie candidatos peessebistas em estados – abdicando de candidatura própria nestas disputas estaduais.

O PSB almeja apoio do PT em São Paulo, Rio de Janeiro,  Acre, Pernambuco e Rio Grande do Sul; encontrando empecilhos em suas exigências por retirada de candidaturas petistas nestes estados.

De momento, a disputa pelo governo do Espírito Santo não compõe as negociações entre os partidos. Apesar disso, Contarato sinalizou que “a prioridade é o arranjo nacional, a eleição do presidente Lula“.

Questionado sobre uma possível disputa com o peessebista governador do ES, o senador declarou que a competição seria “aceitável” e disse que espera postura semelhante de Casagrande, caso ambos de fato virem rivais eleitorais.

“É perfeitamente aceitável, democrático e positivo para a população. O Espírito Santo merece uma candidatura progressista. Penso que o governador também entende na mesma linha, de que é possível que isso ocorra”, afirmou.

Além dos impasses em acordos regionais, que ocorem principalmente em SP, onde Fernando Haddad (PT) e Márcio França (PSB) não demonstram intenção de desistir de suas candidaturas para eventualmente apoiar o outro, PT e PSB tentam desde o final do ano passado fechar uma federação partidária que una as duas siglas, mais o PV, PCdoB e PSOL.

As negociações em torno da federação também foram afetadas pelos impasses em acordos regionais.

Sobre esta questão, o PSB está rachado. Os políticos do partido no Legislativo apoiam a aliança com o PT; já líderes que ocupam cargos executivos são contra – um deles é o governador do ES, Renato Casagrande.

Related posts

MP quer saber quanto Moro recebeu ao romper com Alvarez & Marsal

Rafael Bruza

Só 26% das crianças no Brasil têm café da manhã, almoço e jantar diários

Rafael Bruza

Covid-19: nos EUA, homem morre após tratamento com ivermectina

Rafaele Oliveira

Leave a Comment