PORTAL DEMOCRACIA
Brasil Manchete

Brasil cai duas posições no ranking da corrupção e fica em 96º na lista

corrupção

O Brasil caiu duas posições no Índice de Percepção da Corrupção (IPC), segundo levantamento feito pela ONG Transparência Internacional, divulgado nesta terça-feira (25). Entre 180 países analisados, o Brasil ocupa a posição 96º. Em 2020, estava em 94º na lista.

O IPC é o principal indicador de corrupção do mundo. Produzido pela Transparência Internacional desde 1995, ele divulga os seus resultados usando uma tabela numérica, que vai de 0 a 100 pontos – onde 0 significa que o país é “altamente corrupto” e 100, “muito íntegro”. Ou seja, quanto maior a pontuação, maior é a percepção de integridade do território.

“O índice é a referência mais utilizada no planeta por tomadores de decisão dos setores público e privado para avaliação de riscos e planejamento de suas ações. Em 2021, o IPC destaca a relação entre corrupção e abuso de direitos humanos. Como mostra o relatório deste ano, países percebidos como altamente corruptos têm maior probabilidade de reduzir seu espaço cívico e democrático e atacar direitos da população”, diz o site da Transparência Internacional.

No ranking de corrupção, Brasil está abaixo da média global

Foto para Ilustrar Matéria
Foto Reprodução/ Marcello Casal para Agência Brasil

De acordo com o relatório, o Brasil registrou 38 pontos, a mesma quantidade do ano anterior, embora tenha caído duas posições. A média global é de 43 pontos, a dos países da América Latina e do Caribe é de 41 pontos e a das nações que integram o G20 é de 54 pontos. O Brasil está atrás de todos eles, e sua pontuação em 2021 é o terceiro pior resultado da série histórica.

Os dados do IPC mostram que o país está estagnado, sem ter feito avanços significativos para enfrentar o problema no período. Por outro lado, o desmonte institucional e a inação do governo no combate à corrupção podem levar a notas ainda piores nos próximos anos”, conclui o relatório.

No Índice de Percepção da Corrupção, as maiores pontuações foram alcançadas por Dinamarca, Finlândia Nova Zelândia (com 88 pontos), Noruega, Singapura e Suécia (85 pontos). As últimas posições são as da Venezuela (14 pontos), Somália e Síria (13 pontos) e Sudão do Sul (11 pontos).

Related posts

Verba atribuída às políticas públicas para mulheres terá corte em 2022

Rafaele Oliveira

Hidrolipo: mulher morre após o procedimento e família acusa o médico

Rafaele Oliveira

Mario Frias proíbe passaporte da vacina em eventos culturais

João Baricatti

Leave a Comment