PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

Aras abre investigação preliminar contra Bolsonaro. Ou seja: quase nada!

Aras e Bolsonaro, tudo a ver!

É preciso ser muito crédulo para acreditar que um ato formal do Procurador-Geral Augusto Aras tenha sido tomado com o sentido de molestar a imunidade processual de Jair Bolsonaro. O PGR mandou abrir uma investigação preliminar contra aquele a quem tem protegido diuturnamente. Mas isso não significa absolutamente nada.

Em relação a Bolsonaro, a palavra de Aras tem peso maior do que a opinião dos 11 ministros do STF. Só ele pode denunciar, caso queira, o Presidente da República. O Judiciário não age por iniciativa própria. Portanto, Gilmar Mendes, Barroso e Carmen Lúcia podem morrer de espernear. Se o PGR não quiser, Bolsonaro sequer será processado.

Mas  o que significa fazer uma investigação preliminar?

Também não significa nada. Se tivesse vontade de apurar os crimes imputados pela CPI da COVID a Bolsonaro, o PGR poderia ter instaurado uma investigação formal para iniciar a fase de inquérito – coleta de provas, indícios e tomada de depoimentos.

Mas não foi isso o que ele fez. Aras apenas ganha tempo enquanto tenta encontrar uma saída para tentar o engavetamento, que tem sido a regra desde que ele assumiu a chefia do Ministério Público. Não será sem custo, mas tem sido assim e ele continua merecendo afagos tanto do Planalto quanto do Congresso.

É preciso lembrar que a atuação da PGR em outros casos que têm conexão com o material levantado pela CPI foi deplorável. Lembre-se que, no afã de defender seus amigos do clã Bolsonaro, a Subprocuradora Lindôra Araújo chegou a causar perplexidade ao  contrariar o consenso científico e argumentar que “não há, nem haverá pesquisa com alta precisão científica” acerca da eficiência do uso de máscaras para conter a pandemia.

As aglomerações que levaram a CPI do Senado a denunciar Bolsonaro por crime de epidemia com resultado morte foram vistas como fatos absolutamente corriqueiros pela mesma procuradora quando o PT e o PSOL acionaram judicialmente o Presidente da República por seu comportamento insidioso.

Para Walter Maierovich, a atitude do PGR tem apenas um sentido: “ele está driblando a prevaricação”, declarou o jurista ao Despertador da TV Democracia.

Portanto, quem espera alguma altivez nas ações da Procuradoria-Geral da República deve mesmo sair frustrado. Acima de todos os códigos e normas, no caso de Augusto Aras vale o escrito pelo Barão de Itararé: “De onde nada se espera, daí é que não sai nada mesmo!”.

Related posts

CNBB cobra punição a deputado bolsonarista que xingou o Papa Francisco e arcebispo

Rafael Bruza

Mulher é presa em flagrante após chamar empresária negra de ‘macaca’ em banco no RJ (vídeo)

Rafael Bruza

Trump é vaiado ao dizer que tomou 3ª dose da vacina contra covid-19

Rafaele Oliveira

Leave a Comment