PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

Casos de apologia ao nazismo dispararam 450% desde a vitória de Bolsonaro

apologia-nazismo-disparou-450-desde-a-vitoria-de-bolsonaro

Desde 2018, ano em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) venceu a eleição presidencial, os inquéritos da Polícia Federal abertos para apurar denúncias de apologia ao nazismo no país cresceram 450%, segundo dados de Secretarias Estaduais de Segurança Pública, obtidos pela CNN Brasil via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Estas informações ainda não incluem o ano corrente de 2021. Os únicos estados que não registraram denúncias deste crime foram Tocantins, Roraima e Mato Grosso do Sul – veja abaixo mais informações sobre os estados e o ano atual.

Em 2018, a PF abriu 20 inquéritos para apurar denúncias deste tipo. O número saltou para 110 casos em 2020 – mais de cinco vezes a quantidade de 2018, em um aumento de 450%.

O professor de História na Universidade Federal Fluminense e diretor acadêmico do Instituto Brasil-Israel, Michel Gherman, comentou os números em seu perfil de Twitter.

“Não é coincidência que no governo de Bolsonaro os nazistas tenham saído do armário”, declarou, compartilhando o gráfico sobre disparada no aumento de casos de apologia ao nazismo.

Na semana passada, também no Twitter, Gherman afirmou que o presidente utiliza símbolos, práticas e discursos próximos ao que nazistas utilizavam na Alemanha.

“Há um consenso na midia internacional, nacional e entre pesquisadores: a de que Bolsonaro age influenciado por perxpectivas ideológicas próximas ao nazismo. Símbolos, práticas, discursos mostram isso. Há mais: estamos diante da possibilidade de Bolsonaro ser acusado de genocida”, afirmou o professor.

Gherman também debate os vínculos do bolsonarismo com o nazismo em seu canal de Youtube.

Apologia ao nazismo por estado e no ano de 2021

De acordo com os dados obtidos pela CNN, o Paraná concentra 30% das ocorrências policiais entre 2011 e 2020. Depois, aparece Minas Gerais, com oito crimes de apologia ao nazismo registrados.

São Paulo foi palco de 6 casos do tipo, assim como Santa Catarina – estado que disponibilizou apenas dados de 2019 a setembro de 2021.

Como o ano de 2021 ainda não terminou, os dados são preliminares. Mas já apontam crescimento

Dados parciais atualizados na última quinta-feira (21) apontam que ocorreram ao menos 51 novos casos de apologia ao nazismo no país, em 2021.

O número parcial é menor que os 69 registros de 2019 e os 110 de 2020. Mas ainda corresponde a mais de o dobro de casos do que houve em 2018.

Flertes de Bolsonaro com o nazismo

Jair Bolsonaro e seus aliados já foram acusados diversas vezes de fortalecer ideias nazistas e neonazistas no Governo Federal.

Em julho, o presidente se encontrou com a deputada extremista da Alemanha, Beatrix von Storch, membra do Alternativa Para a Alemanha (AfD), partido que é investigado pelo serviço de Inteligência alemão por propagar ideias neonazistas e xenofóbicas.

Beatrix von Storch é neta de um autêntico ministro nazista de Adolf Hitler.

Criticado pelo encontro, Bolsonaro sugeriu que não analisou a “ficha” da deputada.

“Semana passada, tinha um deputado chileno e a alemã visitando a Presidência. Poxa, tratei, conversei, bati um papo. Saiu que a deputada alemã é neta do ex-ministro do Hitler. Me arrebentaram na imprensa. Eu acho que a gente não pode ligar um pai a um filho. Muitas vezes, um fez uma coisa errada e não se pode ligar a outro”, rebateu. “Eu não posso receber essa deputada? Foi eleita democraticamente na Alemanha. Se eu for ver a ficha de cada um para ser atendido, vai demorar horas para atender”.

Related posts

Tite fala sobre curtida do filho em publicação de Maurício Souza

Rafaele Oliveira

Mulher teria sido curada do HIV após tratamento com células-tronco

Rafaele Oliveira

Lula parabeniza Partido Socialista de Portugal por “grande vitória” nas eleições

Rafael Bruza

Leave a Comment