PORTAL DEMOCRACIA
Manchete Política

Allan dos Santos diz que vai se entregar quando a Interpol acatar seu pedido de prisão

allan-dos-santos-vai-se-entregar-quando-interpol-acatar-pedido-de-prisao

Com prisão preventiva expedida no Brasil e vivendo nos Estados Unidos com visto de turista vencido, o blogueiro bolsonarista Allan dos Santos afirmou em vídeo públicado nas redes sociais nesta quinta-feira (21) que vai se entregar somente quando a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) acatar seu pedido de prisão, realizado pela Polícia Federal (PF) e autorizado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

“O pedido do Alexandre de Moraes precisa ser acatado pela Interpol. Uma vez acatado pela Interpol, eu mesmo faço questão de me apresentar. Seja aonde for. Mas, sobretudo, usar de todos os requisitos necessários, dos quais eu tenho direito aqui nos Estados Unidos. Mesmo como imigrante, não como cidadão, porque não sou cidadão”, disse ele.

O bolsonarista é investigado pela PF no Brasil em dois inquéritos: o das fake news, que apura divulgação de notícias falsas em massa e ataques a ministro da corte; e o das milícias digitais, focado em investigar uma suposta milícia digital que trabalha atentando contra instituições democráticas.

Nesta quinta-feira (21), o ministro Alexandre de Moraes determinou a prisão preventiva e solicitou que o Ministério da Justiça inicie imediatamente o processo de extradição do blogueiro.

Moraes ainda ordenou que a PF inclua o mandado de prisão na lista da Difusão Vermelha da Interpol, para garantir que Santos seja capturado e retorne ao Brasil. Também foi acionada a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

O blogueiro bolsonarista é um dos mais influenciadores próximos da família Bolsonaro e do autor Olavo de Carvalho, considerado o ideólogo do presidente da República.

Santos deixou o Brasil após ter sido alvo de operações da PF. Ele entrou nos Estados Unidos 12 de agosto de 2020, com visto de turista que permitia sua permanência no país até 11 de fevereiro de 2021.

O blogueiro pretende “fazer dinheiro”, segundo delegada da PF

A Polícia Federal entende que as condutas de Allan dos Santos podem configurar crimes de organização criminosa, ameaça, crime contra a honra e incitação à prática de crimes, entre outros.

Nas investigações, a PF afirma que “a pretexto de atuar como jornalista”, Allan dos Santos assumiu a condição de um dos organizadores de um movimento responsável por ataques à Constituição, aos Poderes de Estado e à Democracia.

A delegada da Polícia Federal, Denisse Ribeiro, afirma que o blogueiro integra um grupo que divulga informações falsas e mensagens antidemocráticas com intuito de “fazer dinheiro”.

“Fato relevante é que, embora Allan Lopes dos Santos se apresente como um dos principais articuladores e interlocutores do grupo, atuando, entre outras frentes na criação de grupos de discussão e no agendamento de reuniões; na instigação de agentes públicos a agir contra a lei; na difusão de teorias conspiratórias voltadas a desacreditar pessoas ou instituições, sua aderência à associação identificada se faz mais por motivos venais, utilizando o caminho do agravamento da polarização político-ideológica com o principal objetivo de ‘fazer dinheiro'”, escreveu a delegada no processo que envolve a prisão de Allan dos Santos.

Moraes diz que Allan dos Santos mantém conduta criminosa

Na decisão em que autoriza a prisão preventiva de Allan dos Santos, o ministro Alexandre de Moraes aponta que o blogueiro demonstra não ter restrições para propagar discursos criminosos.

“Como se vê, a utilização de seu canal nas redes sociais, usado como verdadeiro escudo protetivo para a prática de atividades ilícitas, aliado ao fato de ter se ausentado do território nacional durante as investigações, passando a perpetrar suas condutas criminosas dos Estados Unidos da América, tem conferido a Allan Lopes dos Santos uma verdadeira cláusula de indenidade penal para a manutenção do cometimento dos crimes já indicados pela Polícia Federal, não demonstrando o investigado qualquer restrição em propagar os seus discursos criminosos”, afirmou.

Moraes ressaltou ainda que a atuação de Allan dos Santos não se enquadra “apenas como meros ‘crimes de opinião”.

“Eis que o investigado, no contexto da organização criminosa sob análise, funciona como um de seus líderes, incitando a prática de diversos crimes e influenciando diversas outras pessoas, ainda que não integrantes da organização, a praticarem delitos”, afirma o ministro.

Related posts

Henrique Neves, Leonel Radde, Michek Gherman e Bruno Paes Manso no Despertador

Bruna Pannunzio

AWS: Falha no Amazon Web Services derruba Ifood, Disney+ e outros sites

Rafaele Oliveira

Dívida pública federal sobe 12% em 2021, atingindo R$ 5,61 trilhões

João Baricatti

Leave a Comment