PORTAL DEMOCRACIA
Agricultura Colunistas Manchete Política

Agricultura moderna é (a mais) sustentável (possível)!

Agricultura

Por Maria Thereza Pedro, escrito para o Poder360.

Recentemente, tive a honra de ser entrevistada na TV Democracia, do grande jornalista Fábio Pannunzio ­–como eu estava de férias e Fábio deixa um clima leve, a conversa teve um clima “mesa de bar carioca”. A 1ª pergunta apresentada foi a seguinte:

“Qual é o modelo ideal de produção agrícola que seja capaz de alimentar a população mundial, respeitando a questão ambiental?”

Para contextualizar, comecei falando o que eu pensava há 3 décadas. Algo extremamente romântico, típico de uma jovem carioca estudante de agronomia. Na década de 1980 e 1990, no Brasil, profissionais e estudantes de Ciências Agrárias que estavam profundamente preocupados com os impactos ambientais da adoção massiva do Pacote Tecnológico da Revolução Verde refletiam sobre o que, na época, chamávamos de Agricultura Alternativa.

Existia um desejo comum: mudar a base da agricultura. Sou dessa geração. Na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, quando estudante de Agronomia, tínhamos o GAE (Grupo de Agricultura Ecológica). Nas outras universidades, existiam também grupos com o mesmo propósito. Estudávamos todos os livros disponíveis sobre Agricultura Alternativa, tanto dos autores que faziam crítica ao modelo tecnológico da agricultura moderna, quanto dos que propunham mudanças ou linhas alternativas: Carson, Primavesi, Altieri, Chaboussou, Kiehl, Okada, Steiner, Howard, etc.

Naquela época, a agricultura alternativa era considerada um “contraponto tecnológico” ao formato organizativo da agricultura então vigente. E nos identificávamos como “Movimento da Agricultura Alternativa”. Ao longo dos anos, foi ocorrendo uma diferenciação interna. Identifico 3 grupos:

  • O 1º grupo pratica as linhas da “agricultura alternativa”: a biodinâmica, orgânica, biológica, natural e permacultura. Para cada uma delas, há uma lista de técnicas recomendadas e outras não admitidas. Muitas vezes, os produtos são comercializados com selos concedidos por certificadoras. Portanto produzem para nichos muitos específicos de mercado. Ou seja, para pouquíssimas pessoas;
  • O 2º grupo propõe a construção de um padrão radicalmente diferente, uma “outra agricultura”. Um pensamento altamente romântico, que julga factível a ocorrência de uma série de mudanças do manejo agronômico associadas às transformações das relações sociais e econômicas que conformarão um novo padrão societário. Tal proposta tem sido defendida por um movimento que se autodenomina como o da “agroecologia” e sua “nova forma de fazer ciência”. Alguns sugerem até que o agricultor não deveria visar ao lucro em sua atividade. Militam contra a agricultura moderna, incluindo a biotecnologia. Propõem o uso exclusivo de sementes crioulas para alimentar bilhões de pessoas e um amor fraternal entre agricultores e consumidores. O único problema é que não explicam como vão implementar a mudança e muito menos o que vem a ser esta tal de “nova forma de fazer ciência”. Esse grupo parece delirar sem tomar chá de cogumelo.
  • O 3º grupo, no qual me incluo com muito orgulho, está convencido de que o único caminho para alcançarmos um “modelo ideal de produção agrícola que seja capaz de alimentar a população mundial, respeitando a questão ambiental” é aquele pavimentado pela ciência. Temos certeza de que os avanços em direção a uma agricultura mais sustentável, justamente, ocorrem por meio do contínuo avanço das Ciências Agrárias. Ou seja, a partir do acúmulo no aprendizado nesse campo da ciência é que são desenvolvidas ou adaptadas tecnologias com menor externalidade ambiental negativa possível. São exemplos, entre muitos outros, a adoção de variedades de plantas resistentes às pragas e doenças, incluindo as transgênicas e de irrigação de precisão.

Portanto, entendo que este último grupo é o verdadeiro herdeiro do movimento da “Agricultura Alternativa”. Pois é agricultura moderna a mais sustentável possível que está transformando realmente (e não apenas idealmente) a agricultura brasileira, elevando-a para um patamar mais sustentável e também sendo capaz de alimentar a população mundial (e não somente oferecer alimentos para os exigentes nichos de mercado).

Related posts

Fiocruz aponta forte crescimento de casos Síndrome Respiratória Aguda Grave

João Baricatti

EUA regista recorde de hospitalizações por Covid-19

João Baricatti

Alckmin decide ser vice de Lula e vai anunciar a aliança em 2022, segundo jornalista

Rafael Bruza

Leave a Comment